← voltar para plataforma impacto

Programa TECHO de Construção de Moradias na Cidade do México

Publicado em 15/12/2022
Compartilhe:

Qual o objetivo?

Melhorar as condições de moradia em favelas e zonas urbanas de alta vulnerabilidade, em ações conjuntas entre os seus habitantes e jovens voluntários.

Onde e quando foi implementado?

O modelo do programa TECHO foi estabelecido pela primeira vez no Chile em nos anos 1990 e depois replicado em vários países da América Latina. Os resultados descritos abaixo dizem respeito a um estudo experimentalOs estudos experimentais utilizam mecanismos aleatórios (isto é, sorteios) para definir quem será e quem não será contemplado por um determinado programa ou política pública, garantindo que as diferenças futuras entre estes grupos possam ser atribuídas com maior credibilidade à intervenção em si - e não a diferenças entre quem é e quem não é "tratado". de impacto do programa conduzido no México entre 2010 e 2012, envolvendo aproximadamente 800 famílias.

Como é o desenho?

O programa teve por focoO programa ainda está em operação. As frases nesse e nos próximos parágrafos estão no passado porque os resultados se referem a como o programa era, no momento e contexto específicos da avaliação de impacto. famílias que moravam em áreas da periferia da Cidade do México.

Após a seleção das famílias beneficiárias, que ocorreu após um exercício de diagnóstico e priorização conduzido em conjunto com os habitantes das comunidades, foram construídas moradias de 18 metros quadrados por times de 4 a 8 voluntários e apenas cerca de 10% dos custos de material foram repassados aos futuros proprietários (total de aproximadamente 100 dólares, em valores de 2017, ou o equivalente, à época, à quase 2 vezes o rendimento domiciliar per capita das famílias participantes). Estes materiais incluíram madeira, utilizada nas paredes e no piso – elevado de 30 a 80 cm do chão para proteção contra enchentes e animais –, e painéis de alumínio, utilizados no teto.

As casas construídas eram fáceis de desmontar e mudar para um novo local, uma vez que a maior parte das famílias contempladas não possuíam título formal da terra em que viviam.

O que aprendemos com o monitoramento e a avaliação?

Foram documentadas, no artigo listado na seção abaixo, as seguintes evidências a respeito do impacto causal do programa:

  • aumento de 38% de um desvio-padrãoO desvio-padrão mede a dispersão de valores de uma variável - valores mais altos indicam maior ocorrência de valores longe da média e valores mais baixos refletem maior concentração de valores próximos à média. Para a distribuição normal, ou para distribuições razoavelmente similares a uma normal, um aumento de 10% de um desvio-padrão equivale a um efeito de 4 percentis a partir do percentil 50 - isto é, a passar da posição 50 para a posição 54, em uma fila de 100. em um indicador da qualidade da moradia das famílias participantes, construído a partir de informação sobre o número de cômodos, a qualidade do assoalho, paredes e telhado, e o número de janelas [1];
  • aumento de 28% de um desvio-padrão em um indicador de satisfação com a vida e, em particular, com a própria moradia, construído a partir da percepção dos moradores sobre a qualidade da mesma e da proteção que ela oferecia contra intempéries [1];
  • redução na incidência de episódios de diarreia e de doenças respiratórias nas crianças que habitavam as casas reformadas, embora os resultados sejam imprecisamente estimadosDiz-se que um resultado estatístico é imprecisamente estimado quando ele também é consistente com valores muito próximos ou muito distantes de um valor de referência (por exemplo, 0), após incorporada à análise as incertezas associadas à generalização para outras amostras de indivíduos de uma população. [1];
  • não há evidência de que a entrega das moradias afetou positivamente a percepção de segurança dos beneficiários com respeito a si próprios ou às crianças que moravam com eles – resultado baseado em um indicador de percepção de segurança envolvendo os responsáveis pelo imóvel, crianças sob sua responsabilidade e o número de roubos vivenciados pelo domicílio [1];
  • também não há evidência de que as moradias emergenciais tenham alterado substancialmente a participação dos moradores no mercado de trabalho [1].

De onde vem essa informação?

  1. Galiani, S., Gertler, P. J., Undurraga, R., Cooper, R., Martínez, S., & Ross, A. (2017). Shelter from the Storm: Upgrading Housing Infrastructure in Latin American Slums. Journal of Urban Economics, 98, 187-213.

Vídeos

Estamos trabalhando para que as páginas contemplem toda a evidência documentada sobre o tema e estejam sempre atualizadas. Se você quiser sugerir algum artigo, entre em contato.