← voltar para plataforma impacto

Programa de Aconselhamento Educacional ao Final do Ensino Fundamental II em Paris

Publicado em 19/10/2022
Compartilhe:

Qual o objetivo?

Ajudar os alunos a identificarem caminhos que se encaixassem tanto em seus gostos quanto em suas habilidades acadêmicas.

Onde e quando foi implementado?

O programa foi implementado em 37 escolas localizadas em áreas marcadas por altos índices de vulnerabilidade social em Paris, França, no distrito educacional de Versailles, no contexto de um estudo experimentalOs estudos experimentais utilizam mecanismos aleatórios (isto é, sorteios) para definir quem será e quem não será contemplado por um determinado programa ou política pública, garantindo que as diferenças futuras entre estes grupos possam ser atribuídas com maior credibilidade à intervenção em si - e não a diferenças entre quem é e quem não é "tratado". de impacto durante o ano letivo de 2010-2011.

Como é o desenho?

O programa teve como foco alunos do 9º ano do ensino fundamental mais expostos ao risco de evasão escolar, mais especificamente os 25% mais expostos, segundo a opinião dos diretores das escolas. No sistema de ensino francês, o 9º ano é a etapa em que os adolescentes devem escolher seu itinerário formativo para os próximos anos. Assim como em muitos outros países, esse itinerário pode ser formado por cursos acadêmicos ou por cursos técnicos. Como a alocação dos alunos a vagas é feita por nota, o processo acaba sendo fonte de frustração para muitos alunos e tendo consequências sobre o seu engajamento com a vida escolar. A ideia central do programa era, então, a de aumentar o envolvimento dos pais dos alunos que eram foco do programa, provendo informações sobre o sistema educacional e os ajudando a formar planos e expectativas educacionais mais realistas para seus filhos.

Os pais dos alunos pré-selecionados foram convidados pelos diretores das escolas para participar de 2 reuniões de grupo durante o segundo semestre do ano letivo. Nessas reuniões, com duração de 2 horas, os diretores discutiram as aspirações específicas de cada família em relação ao futuro educacional de seus filhos e, sempre que necessário, forneceram informações específicas sobre as diversas opções existentes. As diretrizes para as reuniões e um pequeno filme foram preparados por especialistas da secretaria educacional local. De acordo com as diretrizes, os principais objetivos das reuniões eram explicar aos pais que escolhas importantes deveriam ser feitas até o final do ano letivo e incentivá-los a se envolver. As orientações também sugeriram que as expectativas educacionais de cada família fossem identificadas e discutidas no contexto do desempenho real da criança. Assim, se necessário, os diretores deveriam fornecer às famílias informações sobre opções alternativas, além de alertar que a repetência não necessariamente leva à melhoria das notas para inscrição no futuro em cursos acadêmicos ou técnicos mais seletivos.

O filme apresentou depoimentos breves de pais, alunos e professores que explicavam as dificuldades na escolha de um curso de ensino médio. Os elementos abordados no filme foram: (i) os alunos do 9º ano ainda são muito jovens e muitos não têm uma ideia clara sobre seus planos para o futuro; (ii) os pais não têm conhecimento claro do sistema educacional e têm fortes preconceitos contra a educação profissionalizante, quando comparada à educação estritamente acadêmica; (iii) as dificuldades de diálogo entre adolescentes e pais, ou entre pais e professores; (iv) depoimentos nos quais ex-alunos descreviam brevemente sua própria experiência, com intuito de melhorar a imagem do ensino profissionalizante entre pais e alunos.

O que aprendemos com o monitoramento e a avaliação?

Foram documentadas, no artigo listado na seção abaixo, as seguintes evidências a respeito do monitoramento e do impacto causal do programa:

  • cerca de 52% dos pais que se voluntariaram para participar do programa frequentaram pelo menos uma reunião em grupo e cerca de 21% compareceram às 2 reuniões [1];
  • aumento de 47% (ou 5,4 pontos percentuais) na taxa de pais que revelaram ainda não saber o que esperar com relação às decisões educacionais no futuro próximo, indicando expectativas mais modestas e realistas dos pais em relação a educação dos filhos, como preconizado pelas diretrizes e pelo material audiovisual ligado à implementação [1];
  • aumento de 30% (ou 4,9 pontos percentuais) na taxa de alunos que incluíram na sua lista de candidaturas cursos técnicos de 2 anos e uma diminuição de 9% (ou 5,5 pontos percentuais) de alunos que queriam ou focar exclusivamente em um programa de 3 anos ou pedir para repetir o 9º ano como forma de adiar a decisão [1];
  • aumento de 30% (ou 4,9 pontos percentuais) na taxa de alunos que incluíram na sua lista de candidaturas cursos técnicos de 2 anos e uma diminuição de 9% (ou 5,5 pontos percentuais) de alunos que queriam ou focar exclusivamente em um programa de 3 anos ou pedir para repetir o 9º ano como forma de adiar a decisão [1];
  • redução de 28% (ou 3,5 pontos percentuais) na taxa de alunos que repetiram o 9º ano [1].

De onde vem essa informação?

  1. Goux, D., Gurgand, M., & Maurin, E. (2017). Adjusting your Dreams? High School Plans and Dropout Behaviour. The Economic Journal, 127(602), 1025-1046.

Estamos trabalhando para que as páginas contemplem toda a evidência documentada sobre o tema e estejam sempre atualizadas. Se você quiser sugerir algum artigo, entre em contato.