← voltar para plataforma impacto

Programa Profamilia de Planejamento Familiar e Saúde Reprodutiva na Colômbia

Publicado em 05/04/2023 Atualizado em 03/04/2024
Compartilhe:

Qual o objetivo?

Promover condições para que mulheres tivessem controle sobre o número de e o espaçamento entre os filhos que viriam a ter durante sua vida reprodutiva.

Onde e quando?

O programa Profamilia foi criado e implementado pela Asociación Probienestar de la Familia Colombiana em Bogotá em 1965 e expandiu sua atuação nos anos subsequentes para várias regiões da Colômbia.

Como é o desenho?

O Profamilia teve por focoO programa ainda está em operação. As frases nesse e nos próximos parágrafos estão no passado porque os resultados se referem a como o programa era, no momento e contexto específicos da avaliação de impacto. mulheres em situação de pobreza e teve como principal componente a distribuição gratuita de pílulas anti-concepcionais, dispositivos intra-uterinos e procedimentos de esterilização.

Um dos traços distintivos do programa foi sua abordagem comunitária, baseado no recrutamento de mulheres leigas para divulgá-lo.

O que aprendemos com o monitoramento e avaliação?

Foram documentadas, nos artigos listados na seção abaixo, as seguintes evidências a respeito do monitoramento e do impacto causal do programa Profamilia:

  • a taxa de mulheres casadas em idade reprodutiva que faziam uso de algum método contraceptivo cresceu, passando de 19% em 1969, para 34% em 1976 e, em 1986, para 53% [1];
  • não há evidências de efeitos estatisticamente significantesChamam-se de estatisticamente significantes as estimativas de impacto que são distinguíveis do valor zero, após incorporada à análise as incertezas associadas à generalização para outras amostras de indivíduos. na taxa de mulheres expostas ao programa que vieram a ter algum filho [2];
  • redução de aproximadamente 4% na taxa de fecundidade de mulheres que tiveram algum filho no curso de suas vidas, para mulheres expostas ao programa a partir do início de sua vida reprodutiva, isto é, dos 15 aos 19 anos [2];
  • aumento de 1% (ou 0.05 ano) no número total de anos de estudo alcançados na vida adulta, também para mulheres expostas ao programa a partir dos 15 a 19 anos [2];
  • aumento de 7% (ou 2,1 pontos percentuaisO efeito de um programa em termos percentuais (%) é diferente do efeito do programa em pontos percentuais. Por exemplo, se uma variável binária tem média de 10%, um efeito de 5 pontos percentuais representa aumento de 50%.) na taxa de mulheres que tinham um emprego no mercado de trabalho formal quando adultas, ainda para mulheres expostas ao programa a partir dos 15 a 19 anos [2];
  • redução de aproximadamente 2% na taxa de fecundidade de mulheres que tiveram algum filho no curso de suas vidas, para mulheres expostas pela primeira vez ao programa dos 30 aos 34 anos, embora não tenham sido encontrados efeitos sobre educação ou mercado de trabalho nesse grupo [2].

Quais as fontes bibliográficas dessa informação?

  1. Seltzer, J., & Gomez, F. (1998). Family Planning and Population Programs in Colombia 1965 to 1997POPTECH Report, (97-114), 062.
  2. Miller, G. (2010). Contraception as Development? New Evidence from Family Planning in Colombia. The Economic Journal, 120(545), 709-736.

Estamos trabalhando para que as páginas contemplem toda a evidência documentada sobre o tema e estejam sempre atualizadas. Se você quiser sugerir algum artigo, entre em contato.