← voltar para plataforma impacto

Programa Abecedarian de Apoio ao Desenvolvimento Infantil na Carolina do Norte

Publicado em 20/10/2022 Atualizado em 07/03/2024
Compartilhe:

Qual o objetivo?

Quebrar o vínculo entre a pobreza infantil e o baixo aproveitamento escolar, promovendo o desenvolvimento intelectual, social e físico de crianças em idade pré-escolar em contextos de vulnerabilidade social.

Onde e quando foi implementado?

O Abecedarian foi implementado de 1972 a 1976 em Chappel Hill, Carolina do Norte, nos Estados Unidos, no contexto de um estudo experimental de pequena escala (111 crianças) para fins de pilotagem e de avaliação longitudinal das coortes participantes.

Como é o desenho?

O programa teve por foco crianças negras, a partir dos 4 meses de idade, que viviam em situação de pobreza e deprivação cultural. O Abecedarian contou com atividades agrupadas em três componentes fundamentais.

O primeiro componente foi o acesso a um centro de educação infantil por 8 horas por dia útil, durante o ano inteiro, até o período em que as crianças chegaram na idade escolar (aproximadamente 5 anos). Para cada grupo de 6 crianças havia um professor líder, com especialidade em primeira infância, e para o qual foi dado treinamento adicional nas abordagens a serem usadas no projeto, com ênfase no desenvolvimento cognitivo, de linguagem e de habilidades socioemocionais consideradas cruciais para o sucesso escolar no futuro – como orientação de atenção a tarefas específicas, comunicação, independência e comportamentos pró-social.

O segundo componente do programa era a realização regular de acompanhamento com pediatras, seguida de comunicação aos pais nos casos de problemas de saúde encontrados.

Por fim, durante os 3 primeiros anos do ensino fundamental, o projeto estimulou o envolvimento dos pais na vida escolar dos alunos por meio do estabelecimento de uma relação próxima entre a família e um profissional em educação infantil. Este profissional visitou os domicílios das crianças participantes a cada 15 dias durante o período, facilitando, em particular, a comunicação entre os professores da escola e os seus pais ou cuidadores.

O que aprendemos com o monitoramento e a avaliação?

Foram documentadas, nos artigos listados na seção abaixo, as seguintes evidências a respeito do impacto causal do Abecedarian Project:

  • aumento, entre meninas, de 81% de um desvio-padrãoO desvio-padrão mede a dispersão de valores de uma variável - valores mais altos indicam maior ocorrência de valores longe da média e valores mais baixos refletem maior concentração de valores próximos à média. Para a distribuição normal, ou para distribuições razoavelmente similares a uma normal, um aumento de 10% de um desvio-padrão equivale a um efeito de 4 percentis a partir do percentil 50 - isto é, a passar da posição 50 para a posição 54, em uma fila de 100. (8,4 pontos percentuais, ou 9,5%) em um indicador do quociente de inteligência (QI), construído a partir de informação coletada aos 12 anos de idade [1];
  • não foram encontrados efeitos estatisticamente significantesChamam-se de estatisticamente significantes as estimativas de impacto que são distinguíveis do valor zero, após incorporada à análise as incertezas associadas à generalização para outras amostras de indivíduos. sobre o mesmo indicador de QI, entre meninos, nesse horizonte temporal [1];
  • aumento, entre meninas, de 37% (ou 23 pontos percentuais) na taxa de crianças que vieram a se graduar no ensino médio, construída a partir de informação coletada aos 18 anos de idade, embora não haja evidência de efeitos sobre essa variável entre os meninos [1];
  • aumento, entre meninas, de 274% (ou 29 pontos percentuais) na taxa de crianças que vieram a ingressar em universidades até os 21 anos de idade, embora não haja evidência de efeitos sobre essa variável entre os meninos [1];
  • aumento, entre meninas, de 18% (ou 2,1 anos) e de 5% (ou 0,7 ano), entre meninos, no número total de anos de estudo [1];
  • aumento, entre meninos, de 68% na renda auferida no trabalho aos 30 anos, embora não tenha sido encontrado efeito estatisticamente significante no grupo das meninas [2].

De onde vem essa informação?

  1. Anderson, M. L. (2008). Multiple Inference and Gender Differences in the Effects of Early intervention: A reevaluation of the Abecedarian, Perry Preschool, and Early Training Projects. Journal of the American Statistical Association, 103(484), 1481-1495.
  2. García, J. L., Heckman, J. J., Leaf, D. E., & Prados, M. J. (2020). Quantifying the Life-cycle Benefits of an Influential Early-childhood Program. Journal of Political Economy, 128(7), 2502-2541.

Vídeos

 

Estamos trabalhando para que as páginas contemplem toda a evidência documentada sobre o tema e estejam sempre atualizadas. Se você quiser sugerir algum artigo, entre em contato.